Share to: share facebook share twitter share wa share telegram print page

Germânia

 Nota: Se procura outros significados, veja Germânia (desambiguação).
Mapa da Magna Germânia no início do século II, por Alexander George Findlay

Germânia (em latim[ɡɛrˈmaːni.a]; em alemão: Germania, Germanien), também chamada de Magna Germânia, Germânia Livre (Germania Libera) ou Barbárico Germânico para distingui-lo da província romana de mesmo nome, era uma grande região histórica no centro-norte da Europa durante a era romana, que foi associada por autores romanos aos povos germânicos. A região se estendia aproximadamente do Médio e Baixo Reno, no oeste, até o Vístula, no leste. Também se estendia até o sul até o Danúbio Superior e Médio e a Panônia, e até as partes conhecidas da Escandinávia no norte. Arqueologicamente, esses povos correspondem aproximadamente à Idade do Ferro romana dessas regiões. Embora aparentemente dominada por povos germânicos, a Magna Germânia também foi habitada por celtas.

O nome latino Germania significa "terra dos Germani", mas a etimologia do próprio nome Germani é incerta. Durante as guerras gaulesas do século I a.C., o general romano Júlio César encontrou povos originários de além do Reno. Ele se referiu a essas pessoas como germanos e suas terras além do Reno como "Germânia". Nos anos seguintes, o imperador romano Augusto procurou expandir através do Reno em direção ao Elba, mas esses esforços foram prejudicados pela vitória de Armínio na Batalha da Floresta de Teutoburgo em 9 d.C.. As prósperas províncias romanas da Germânia Superior e da Germânia Inferior, às vezes chamadas coletivamente de "Germânia romana", foram posteriormente estabelecidas no nordeste da Gália romana, enquanto os territórios a leste do Reno permaneceram independentes do controle romano.

A partir do século III, os povos germânicos que saíram da Magna Germânia começaram a invadir e ocupar partes da Germânia romana. Isso contribuiu para a queda do Império Romano do Ocidente no século V, após o que os territórios da Germânia romana foram capturados e colonizados por povos germânicos migrantes. Grandes partes da Germânia posteriormente tornaram-se parte do Império Carolíngio e depois da Frância Oriental. O nome da Alemanha em inglês e muitas outras línguas é derivado do nome Germânia.

Etimologia

O nome Germânia, por outro lado, dizem eles, é moderno e recém-introduzido, pelo fato de que as tribos que primeiro cruzaram o Reno e expulsaram os gauleses, e agora são chamadas de túngrios, eram então chamadas de germânicos. Assim, o que era o nome de uma tribo, e não de uma raça, prevaleceu gradualmente, até que todos se chamavam por esse nome auto-inventado de germânicos, que os conquistadores primeiro empregaram para inspirar terror.

Tácito

Em latim, o nome Germânia significa "terras onde vivem as pessoas chamadas germanos" (germani).[1] Os estudiosos modernos não concordam com a etimologia do nome Germani. Etimologias celtas, germânicas, ilírias e latinas foram sugeridas.[2]

A principal fonte sobre a origem dos nomes Germania e Germani é o livro Germânia, de Tácito.[3] Tácito escreve que o nome Germania era "moderno e recém-introduzido". De acordo com Tácito, o nome Germani já havia sido aplicado apenas aos tungros, a oeste do Reno, mas tornou-se um "nome artificial" (invento nomine) para povos supostamente relacionados a leste do Reno.[4][3] Muitos estudiosos modernos consideram a história de Tácito plausível, embora haja dúvidas se o nome era comumente usado pelos germânicos para se referirem a si mesmos.[2][5][6][3]

Geografia

Mapa da Germânia do século XV, conforme descrito por Ptolemeu em Geografia (c. 150 AD)

As fronteiras da Germânia não estão claramente definidas, especialmente nas suas margens norte e leste.[7] A Magna Germânia se estendia aproximadamente do Reno, no oeste, até além do rio Vístula, no leste, e do Danúbio, no sul e em direção ao norte, ao longo dos mares do Norte e Báltico, incluindo a Escandinávia.[8][9][10][11] A Germânia Superior abrangia partes da atual Suíça, sudoeste da Alemanha e leste da França, enquanto a Germânia Inferior abrangia grande parte da atual Bélgica e Holanda.[7]

Em sua Geografia (150), o geógrafo romano Ptolemeu fornece descrições da geografia da Germânia.[12] Os estudiosos modernos conseguiram localizar muitos dos topônimos mencionados por Ptolomeu e associá-los aos topônimos dos dias atuais.[13]

A Germânia era habitada por um grande número de povos e não havia muita unidade entre eles.[14] Parece que a Germânia não era inteiramente habitada por povos germânicos. A hidronímia fornece evidências da presença de outro grupo indo-europeu, que provavelmente viveu sob dominação germânica.[15]

Área da cultura nórdica da Idade do Bronze, considerada ancestral do povo germânico, c.  1750–500 a.C.[16]

Arqueologia

Do século I ao IV, a Magna Germânia corresponde arqueologicamente à Idade do Ferro romana.[17] Nos últimos anos, o progresso na arqueologia contribuiu grandemente para a compreensão da Germânia. As áreas da Magna Germânia eram em grande parte agrárias e apresentam semelhanças arqueológicas entre si, embora fossem fortemente diferenciadas daquela da Germânia romana, em grande parte devido à ausência de cidades e cunhagem independente.[18] Descobertas arqueológicas testemunham o florescimento do comércio entre a Magna Germânia e o Império Romano. O âmbar era o principal produto de exportação da Magna Germânia, enquanto os bens de luxo romanos eram importados em grande escala. Tais mercadorias foram encontradas até na Escandinávia e na Rússia Ocidental.[19]

Legado

O nome Germânia é atestado nas traduções do inglês antigo de Beda e Orósio. Desde o século XVII, o nome mais comum da Alemanha em inglês deriva do nome Germania.[20]

Referências

  1. James & Krmnicek 2020, pp. XI, XVII. "Augustus, Rome's first emperor, tried to conquer Germania ("land of the people(s) called Germani") but failed.... Germania means "lands where people called Germani live". The etymological origins of the word Germanus remain obscure. It might well, as Tacitus claimed (Germania 2), originally have been the name of one small group, which was picked up by the Greeks and Romans, perhaps following Gaulish usage, and applied to any other foreign neighbours considered similar in language and other aspects of culture."
  2. a b Todd 2004, p. 9.
  3. a b c Murdoch 2004, p. 55. "[T]he origins of the name “Germani” are uncertain. Our main source for this, as for so much about Germany at this period, is Tacitus, whose Germania, subtitled On the Origin and Geography of Germany (De origine et situ Germanorum) was completed toward the end of the first century. He suggests that the name is a modern invention. “It comes from the fact,” he tells us in the second chapter of the Germania, “that the tribes which first crossed the Rhine and drove out the Gauls, and are now called Tungrians, were then called Germans. Thus what was the name of a tribe, and not of a race, gradually prevailed, till all called themselves by this self-invented name of Germans, which the conquerors had first employed to inspire terror.” It is as plausible an explanation as any..."
  4. Tacitus 1876a, II
  5. Wolfram 2005, p. 4.
  6. James & Krmnicek 2020, p. XVII.
  7. a b James & Krmnicek 2020, p. XII.
  8. Heather 2007, p. 49. "Germanic-speaking groups dominated most of central and northern Europe beyond Rome's riverine frontiers. The Germani, as the Romans called them, spread all the way from the Rhine in the west (which, before the Roman conquest, had marked an approximate boundary between Europe's Germanic and Celtic speakers) to beyond the River Vistula in the east, and from the Danube in the south to the North and Baltic Seas."
  9. James & Krmnicek 2020, p. XII. "In recent decades, a vast amount of new information has been discovered and published about the peoples and cultures of the region, both inside the empire (in Germania Superior, Germania Inferior, and other nearby provinces) and beyond the imperial frontiers in Germania Magna ('Great Germany' or central European Barbaricum). This vast and (especially to the east and north) ill-defined and fluid region spanned what today comprises multiple modern countries from the Netherlands to Poland, and from Scandinavia to the Danube..."
  10. Wolfram 1999, p. 466. "Germania, an area, roughly speaking, between the oceans in the north and the Danube in the south, the Rhine in the west and the Vistula in the east. This ancient Germania also included Scandinavia, which was considered to be an island in the Baltic Sea."
  11. Davidson 1988, p. 5. "What the Romans knew as Germania was the area between the Rhine and the Danube, extending possibly as far as the Vistula, and including in north Denmark and the southern parts of Norway and Sweden."
  12. Scardigli 1998, pp. 245–257.
  13. Kleineberg et al. 2012.
  14. Heather 2007, p. 53.
  15. Heather 2007, p. 53. "While the territory of ancient Germania was clearly dominated in a political sense by Germanic-speaking groups, it has emerged that the population of this vast territory was far from entirely Germanic... [Germanic] expansion did not annihilate the indigenous, non-Germanic population of the areas concerned, so it is important to perceive Germania as meaning Germanic-dominated Europe."
  16. Schmidt, Karl Horst (1991). «The Celts and the Ethnogenesis of the Germanic People». Vandenhoeck & Ruprecht. Historische Sprachforschung. 104 (1): 129–152. JSTOR 40849016 
  17. James & Krmnicek 2020, p. XI.
  18. James & Krmnicek 2020, pp. XVII-XIX.
  19. Murdoch 2004, pp. 64–65.
  20. James & Krmnicek 2020, p. XVI.

Bibliografia

Kembali kehalaman sebelumnya